Desdobrando desdobramentos…

A última reunião do coletivo gerou frutos. Oficializado como Ponto de Articulação do Circuito Fora do Eixo na cidade de Marília, agora nossas responsabilidades serão ainda maiores.
E  para isso  foi necessário reestruturarmos e repensarmos nossas atuações. Assim, o Caipira Bruto Coletivo passa a se chamar Coletivo Desdobra, e nossos trabalhos serão atualizados nos seguintes links:
site: www.coletivodesdobra.com
facebook: http://www.facebook.com/coletivodesdobra
twitter: @cDesdobra
Anúncios

Recordes e Reuniões.

Por Gabriel Coiso

Por volta das 22 horas desta quinta feira, 18 de Agosto, membros do Caipira Bruto Coletivo se reuniram para uma longa reunião: a primeira Pós-Congresso Regional SP/RJ, a primeira com o Coletivo como Ponto de Articulação do Fora do Eixo.

A reunião estava dividida em duas pautas: a primeira dizia respeito aos próximos compromissos do Coletivo, como imersão e possíveis (e já quase concretos) eventos; a segunda dizia respeito, justamente, ao Congresso e a entrada do Coletivo, de fato, no Circuito Fora do Eixo.

Não foi surpresa para nenhum dos membros presentes esta reunião representar, além destes dois grandes marcos, a quebra de um recorde: eis que vivemos nossa mais longa reunião, sendo finalizada para além das 3 da manhã.

Rosquinhas de chocolate, para nos manter vivos, e cafés, para nos manter acordados, fizeram-se tão presentes e essenciais ao longo destas mais de 5 horas, que mereceriam ser considerados membros honrosos de nosso núcleo duro.

como foi: 5a Noite Fora do Eixo em Marília

por Gabriel Coiso e Marina Corrêa

Aconteceu no último sábado (06/08) a 5ª Noite Fora do Eixo em Marília, organizada pelo Caipira Bruto Coletivo no Espaço Cultural Cão Pererê. A noite foi marcada pelos shows das bandas Fuá de Fulô (Marília/SP) e Contos de Réis (São José do Rio Preto/SP), contando também com a intervenção teatral do grupo Embaixada de Marte (Bauru/SP).

Diferente das quatro noites anteriores, em que a predominância foi o Rock, nesta 5ª Noite o que ecoou no Cão Pererê foi a brasilidade do samba e do forró, tocados com maestria pelos Rio Pretenses do Contos, e pelos conterrâneos do Fuá.

Não à toa, essa edição da Noite Fora do Eixo bateu recorde de público. O suor antecedeu o som da cuíca, começando já na divulgação: no correr da semana panfletos foram postos em circulação, e membros do Coletivo caminharam pelo centro da cidade vestindo (literalmente!) o cartaz da festa.

O resultado do convite foi casa lotada e rasta sandálias que durou até as cinco horas da manhã, fazendo muita gente cair na dança, especialmente quando Fuá de Fulô, Contos de Réis e o público se juntaram em uma grande ciranda, como na canção final cantada por todos nós.

E se o fim da noite é o nascer do dia, ao término de cada Noite Fora do Eixo estamos pensando na próxima, que já tem data para acontecer: 9 de Setembro.

Neste sábado: Fuá de Fulô na 5a Noite Fora do Eixo

Sábado a cidade de Marília terá a sua 5a Noite Fora do Eixo. Um noite totalmente diferente das anteriores.

Vamos?

Sobre a banda Fuá de Fulô:

O grupo Fuá de Fulô nasceu entre amigos em 2009 e busca um forró mais melódico, ao mesmo tempo que dançante. Busca a beleza na canção, tratando-a como uma fulô, daí o nome Fuá de Fulô. Fazem parte do repertório os grandes mestres como Luíz Gonzaga, Dominguinhos, Jackson do Pandeiro, Alceu Valença, Geraldo Azevedo, além de composições próprias.

[evento] 5ª Noite Fora do Eixo Marília

Uma nova noite fora do eixo em Marília. Totalmente diferente das anteriores.

Dia 06 de agosto, SÁBADO, tem SAMBA e FORRÓ com:

CONTOS DE RÉIShttp://contosdereis.tnb.art.br
(São José do Rio Preto/SP)

FUÁ DE FULÔ
(Marília/SP)

e TEATRO com:

EMBAIXADA DE MARTE | http://embaixadademarte.wordpress.com
(Bauru/SP)

SÁBADO, a partir das 22 horas no espaço cultural Cão Pererê (Av. da Saudade 99, Marília-SP).

Entrada: R$ 8,00 ou lista amiga aqui.

Como foi: 4a Noite Fora do Eixo em Marília

por Taty Beija Flor

Foi assim… indicados por Marina Corrêa e convidados por Gabriel Coiso, partimos para Marília City: Eu (Taty Beija Flor) dirigindo, Li Barbosa de co-piloto e Rafael Maia no banco de trás (bem ao meio para ver a estrada)… No caminho os assuntos do dia-a-dia e a ansiedade evidente de Rafael: “Quanto tempo demora para passar 40 KM?”. Bem próximo a Marília, colocamos o CD da trilha sonora de nossa performance e fomos discutindo, até mesmo alterando algumas ações.

Ao chegarmos na cidade fomos recepcionados por Gabriel Coiso, Marina Corrêa e Janina, seguimos sentido ao Espaço Cultural Cão Pererê… Fomos mega-bem recepcionados! Nossa que lugar diferente, uma decoração autêntica, tudo muito bonito e único!

Subimos no andar de cima (não dá para subir no porão, mas tudo bem, rs) e assistimos a passagem de som das bandas! No intervalo aproveitamos para tirar fotos diferentes, naquele local diferente! Fomos ao posto de gasolina e lá tomamos um café, conversamos com uma caixa mega-simpática e compramos um jornal, o qual falava da ida do grupo Fruta Cósmica a Marília e da história recente de sua composição (foi muito legal ver isso).

Perdidos no meio da boa receptividade do pessoal de Marília, da aparência autentica do bar e do som original que a banda CabouTchan fazia, nos perdemos e já era a hora de apresentar e não estávamos prontos… Correria, ajuda (de Marina e Janina) e ainda mudança de planos: o melhor local para fazer a cena passa a ser o espaço de baixo, próximo ao bar… Todos arrumados, Rafael com seu corpo todo pintado (Marina e Janina também com parte de seus corpos pintados, rs) a primeira música da trilha foi posta e Rafael sobe as escadas do “camarim improvisado” (o porão mágico do bar) em dez segundos o silêncio foi pairando e agora quem subia era Li Barbosa e por fim eu, Taty Beija Flor. Começava o Agridoce.

Sentia a presença do público por todos os lados, principalmente nas costas, já que o pessoal da rua também se aglomerou para ver a cena, impressionante a troca de energias e de sensações instantâneas, sem palavras, sem nenhuma palavra, “apenas com gestos” e, ao final da cena, impulsionada pela trilha de Moby (que aliás recebeu um grito eufórico de um observador de fora do bar: “MOOOOBYY CARAAA!”) o olhar a todos os presentes.

Encerrada a cena, ao sair do porão, tive feedbacks muito interessantes, diziam que a surpresa com o silêncio do público havia sido algo inédito, elogiavam até mesmo o figurino diante do frio que fazia e até mesmo o elogio de alguém que pontuava não gostar de teatro, todos que por nós passavam faziam alguma colocação à respeito; a indiferença era excluída.

Pra não dar tempo ao público, caloroso e incansável, fomos convidados pra uma rápida entrevista, enquanto Lisabi subia ao palco, fechando de forma digna e coerente mais um evento do Caipira Bruto Coletivo.